Temerosa com seca, população de SP investe em tambores e caixas d´água

Comentário:

Segue abaixo a notícia publicada no portal do IG “Temerosa com seca, população de SP investe em tambores e caixas d´água”. Chamamos a atenção do público do Blog Demografia Unicamp para três aspectos: 1) O armazenamento de água nas residências pode impelir à disseminação de doenças já endêmicas em São Paulo, como é o caso da dengue. O aumento de reservatórios de água nas residências potencializa o número de criadouros do mosquito Aedes aegypti. Portanto, não seria de se espantar que haja nos próximos meses novas epidemias de dengue, tão ou mais importantes como as que assolaram o estado nos primeiros meses de 2014. Além disso, 2) a notícia não problematiza algo fundamental: cerca de 62% do consumo de água no Brasil direciona-se à produção agrícola, 20% à atividade industrial, enquanto o uso doméstico representa apenas 18% do consumo total de água no país, segundo dados de 1998-2002 provenientes do AquaStat citados por Carmo et al. (2007). Assim, depositar na população a responsabilidade por “resolver” o problema da seca ao economizar água em suas residências é errôneo e certamente atitude de má fé. Por fim, e não menos importante, é preciso considerar que 3) para vários municípios paulistas como Sumaré, Elias Fausto, Mairiporã, Várzea Paulista, Mombuca e Morungaba, destacam-se os altos índices de perdas, superiores a 50%. Ou seja, mais da metade da água produzida se perde no caminho, antes de chegar às residências! (Carmo et al., 2014). Essa questão das perdas no sistema de adução é uma das dificuldades a serem enfrentadas com investimentos por parte das empresas responsáveis pelo abastecimento público. Entretanto, os investimentos exigidos são vultosos, e nem sempre estão entre as prioridades das empresas. Leia-se, então, a notícia abaixo, levando em consideração os três aspectos críticos evidenciados.

Levantamento de fabricantes e revendedoras indica aumento de mais de 100% na venda de produtos para estocar água
Desde pequena, Alda Novack aprendeu com o pai, no interior do Paraná, a importância de se economizar água. Há mais de 50 anos, o que utiliza para lavar roupas no tanque é mais tarde reaproveitado para limpar quintal e banheiro; a manutenção das plantas do jardim particular é feita com as sobras da lavagem de frutas e verduras. Entretanto, o temor de ficar totalmente sem o recurso devido à crise de abastecimento dos reservatórios Cantareira e Alto Tietê nos últimos meses a levou a buscar novas alternativas para o dia a dia.

Moradora de uma região que há meses convive com um racionamento não-anunciado todas as noites – o Jardim Damasceno, na zona norte da capital paulista -, a aposentada de 67 anos investiu há exatamente duas semanas cerca de R$ 110 na compra de dois grandes tambores com capacidade de 225 litros cada. Os reservatórios se juntam a outros já mantidos por dona Alda na residência onde vive com dois filhos, uma neta e uma nora, como baldes velhos e duas caixas d´água com capacidade total de armazenamento de mais de 800 litros.

“Comprei os tambores por sentir um medo verdadeiro de que as represas venham a secar. Fico desesperada vendo as notícias diariamente sobre a atual situação da água em São Paulo”, diz Alda. “Os tambores só serão usados em caso de necessidade extrema mesmo. Aquele que enchi está tampadinho. Espero não precisar usá-lo, mas, do jeito que as coisas andam, ele pode ajudar a família a passar tranquila por alguns dias difíceis.”

Dona Alda não é nem de longe um caso isolado. Em toda a Grande São Paulo tem havido sensível aumento na procura de produtos que ajudem a população a amainar os problemas causados por um possível desabastecimento na região – e, claro, para lidar com os próprios racionamentos, oficialmente rechaçados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) mas já em voga em diversos bairros da cidade e municípios de seu entorno.

Uma das maiores redes de lojas de materiais para construção da região sudeste do País, a Telhanorte registrou, apenas no primeiro trimestre de 2014, um aumento de 150% nas vendas de caixas d´água de maior litragem – entre 1.500 e 2.500 litros – no Estado. A tendência é corroborada por dados Tigre e da Fortlev, principal fabricante do recipiente no País, que desde fevereiro precisou passar a usar as fábricas de Santa Catarina, Bahia e Espírito Santo para suprir o recrudescimento da demanda na população paulista.

“Muitas pessoas aproveitaram o atual momento de crise hídrica para realizar a troca da caixa d’água em sua residência, optando por modelos maiores ou até mesmo adquirindo um reservatório a mais para se precaver de possíveis racionamentos ou faltas de água”, explica o diretor de marketing e compras da Telhanorte, Juliano Ohta. “É um cliente que faz parte de uma crescente demanda de consumidores conscientes, que buscam alternativas ecoeficientes para promover a economia de água, sobretudo na capital paulista.”

seca

Sistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

O aumento do uso dessas alternativas acompanha a tendência diária de queda dos volumes dos principais reservatórios que abastecem a população. Principal sistema de captação e tratamento de água do Estado – além de o maior da América Latina -, o Cantareira registrava, nesta sexta-feira (25), apenas 16,4% de sua capacidade de armazenamento, responsáveis por abastecer cerca de 6,5 milhões de pessoas (até o início do ano eram 8,8 milhões, parte deles transferidos para outros sistemas devido à crise).

E isso somente graças ao volume morto, reserva técnica localizada sob as comportas de captação dos reservatórios cujo conteúdo, bombeado desde maio, compõe hoje todo o conteúdo do Cantareira. Segundo especialistas consultados pelo iG, se a estiagem prosseguir e o governo do Estado não propuser alternativas para racionar o recurso, o Cantareira pode secar ainda em meados de outubro – mesmo caso do Alto Tietê, atualmente com 21,8% de volume disponível para as 4,5 milhões de pessoas abastecidas por ele, mas que, no entanto, não possuí volume morto significativo para uma emergência.

Outras alternativas buscadas por consumidores para evitar a escassez foram a busca por cisternas e calhas para a captação de água da chuva, produtos que também viram um grande crescimento em suas vendas do início do ano para cá. Entretanto, assim como ocorre nos reservatórios da Sabesp, a estiagem atual acaba também por afetar a eficiência dessas opções. É o caso para o comerciante Nelson Kocman, 58 anos, que possuí uma residência e uma loja no mesmo imóvel localizado na região central de Caieiras, abastecida pelo Cantareira.

“Há pelo menos dez anos, desde que vivo aqui, sempre captei água da chuva da calha do telhado, afinal ela vem de graça, do céu. Também comprei tambores para armazenar um volume maior. Mas ultimamente está difícil, porque simplesmente não chove”, lamenta ele. “Todas as noites falta água aqui. Por isso, durante o dia já abasteço minhas caixas d´água, duas de 500 litros e uma de 250 litros, e garanto o uso para mim e para a minha mulher. Só terei problemas mesmo se a Sabesp parar de distribuir por uns três dias. Aí fico na seca também.”

Apesar do temor de muitos, uma boa parcela da população parece ainda não ter tomado consciência da gravidade da situação hídrica na capital paulista e em seu entorno. Ao menos é o que observa dona Alda ao atravessar o portão de sua casa e ver o comportamento de vizinhos e amigos. “Você olha aqui no fim de semana e tem gente lavando carro, moto e até a calçada com mangueira, como se nada estivesse acontecendo. É uma enorme falta de consciência”, avalia ela. “Meu filho fala que eu economizo água demais. Mas estou acostumada a isso. E, sinceramente, espero que outros sigam esse exemplo também.”

Por David Shalom , iG São Paulo

 

Referências citadas no comentário:

CARMO, R. L.; OJIMA, A. L. R. O.; OJIMA, R.; NASCIMENTO, T. T. Água virtual, escassez e gestão: o Brasil
como grande “exportador” de água. Ambiente e Sociedade, v. X, p. 83-96, 2007.

CARMO, R. L.; ANAZAWA, T. M.; JOHANSEN, I. C. Seca nas Metrópoles: materialização de um desastre anunciado. Cadernos de trabalho da Rede Waterlat, 2014.

 

Fonte da notícia:

Portal IG (http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2014-07-25/temerosa-com-seca-populacao-de-sp-investe-em-tambores-e-caixas-dagua.html)

Deixe um comentário

Arquivado em Informações Úteis, População e Ambiente, Saúde

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s