Arquivo da categoria: Envelhecimento

Dica de filme: “Quanto tempo o tempo tem?”

quantotempootempotem

Documentário nacional, dirigido por Adriana Dutra e Walter Carvalho (2016), trata da história de nossa percepção acerca do transcorrer do tempo.
Mas, por que esta postagem no blog de estudantes de Demografia?
O roteiro abrange questões como as mudanças nas fases da vida, o aumento da expectativa de vida, a revisão das idades esperadas para se dedicar aos estudos, ao trabalho e à aposentadoria. Um debate sobre o tempo cronológico, biológico e social: e o que podemos esperar dessas transformações em nossas vidas.

Trailer no Youtube.

Para quem tiver acesso, o filme completo está disponível no Netflix.

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema, Dica de Filme, Envelhecimento

O fim da política do filho único na China

No dia 28 de outubro, o Partido Comunista da China anunciou o fim da controversa “política do filho único”. Essa medida faz parte do 13º plano quinquenal do governo chinês (o primeiro plano foi lançado em 1954). 

Demógrafos consideram que a política de controle populacional desencadeou um crescimento excessivamente acelerado da população de idosos, produzindo o agravamento dos custos da previdência social e dos serviços de saúde. Nos últimos anos, houve também uma redução da população em idade ativa em decorrência dessa política. 

Taxa de fecundidade total - China

Uma análise deste evento histórico é feita pelo professor Ricardo Ojima no artigo “A verdadeira bomba populacional“.

Deixe um comentário

Arquivado em Envelhecimento, Uncategorized

Dica de Filme: Envelhescência (2015)

Dirigido por Gabriel Martinez e com argumento de Ruggero Fiandanese, o longa metragem Envelhescência relata a história de seis pessoas que vivem a vida de maneira plena e nos mostram, através de suas próprias experiências, que os costumes e a rotina após os 60 anos podem ser repletos de atividades e bom humor. Intercalado com comentários de especialistas (Alexandre Kalache, Mirian Goldenberg e Mário Sergio Cortella) o filme sugere uma nova perspectiva sobre o significado do envelhecimento em nossas vidas.

Fonte: http://www.envelhescencia.com.br/

Sessões: Centro Cultural Banco do Brasil – São Paulo/SP, de 17 a 22/06, às 19h.

Mais informações no site: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/envelhescencia/

6 Comentários

Arquivado em Dica de Filme, Envelhecimento

Um olhar sobre o novo envelhecer

Demógrafa analisa as características da transição à velhice no trabalho, na saúde e no âmbito doméstico

ju_619_p5_aweb

A estimativa do IBGE para 2040 é de que aproximadamente 54 milhões de brasileiros (23% da população) estarão com 60 anos de idade ou mais. Se ainda prevalece a associação do idoso com a dependência, a fragilidade e a solidão – e a preocupação governamental com os custos aos sistemas de saúde e de seguridade social –, há a visão recente sobre a velhice como uma etapa de vida bem sucedida e saudável. A demógrafa Carolina Alondra Guidotti Gonzalez afirma, porém, que ambos os paradigmas tendem a homogeneizar a população idosa, num cenário em que as próprias características da velhice estão mudando.

“Envelhecimento demográfico e mudanças na transição à velhice entre brasileiros de distintas gerações” é a tese de doutorado desenvolvida por Carolina Guidotti, orientada pela professora Tirza Aidar, no âmbito do programa de pós-graduação em Demografia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), e do Núcleo de Estudos de População Elza Berquó (Nepo). “Comparando gerações nascidas no início do século passado com gerações que atingirão idades superiores a 60 anos nas próximas décadas, são analisadas as características da transição à velhice no âmbito doméstico, no mercado de trabalho e nas condições de saúde, atentando-se para os diferenciais entre homens e mulheres e quanto ao nível socioeconômico”, explica a autora da pesquisa, que pede atenção para as diferentes formas de envelhecer.

Bacharel em sociologia, Carolina Guidotti possui mestrado em demografia também pela Unicamp, com uma dissertação sobre um dos países mais envelhecidos da América Latina: “Envelhecimento, família e transferências intergeracionais em Montevidéu, Uruguai”. Atualmente professora da Universidad de la Republica Uruguay, ela concedeu por e-mail a entrevista que segue:

Jornal da Unicamp – Qual a motivação para comparar a experiência do envelhecimento entre diferentes gerações da população brasileira? Você já tratou deste tema com foco em Montevidéu, e imagino que a questão seja particularmente preocupante para o Uruguai.

Carolina Guidotti – O envelhecimento da população é um tema que se encontra presente na agenda pública e nos meios de comunicação. Ao longo do tempo tem havido formas diferentes de conceituar o fenômeno: por um lado, existe um enfoque que associa a população idosa com a dependência, a fragilidade e a solidão; mais recentemente apareceu um paradigma oposto, que mostra a velhice como uma etapa bem sucedida e saudável. Ambos os paradigmas tendem a homogeneizar a população idosa. Além disso, o primeiro enfoque tem sido utilizado para sustentar a ideia de que o aumento da proporção de pessoas idosas acarretará em graves problemas para o financiamento dos sistemas de saúde e de seguridade social. Embora seja importante que as políticas públicas deem atenção para essa modificação da estrutura etária, é necessário ressaltar que o aumento relativo da população idosa se produz em um cenário em que as próprias caraterísticas da velhice estão mudando.

Nesse contexto, a principal motivação para a tese foi de gerar uma análise que permitisse conhecer as caraterísticas do envelhecimento da população brasileira sem sobredimensionar seus efeitos perversos na sociedade. O enfoque escolhido possibilita enxergar como a própria experiência da velhice se recobre de características diferentes entre distintas gerações, e ressalta a heterogeneidade dessa população. Isso significa enxergar o processo de mudança populacional sem dissociá-la das mudanças acontecidas na esfera social – focalizar como as transformações no contexto demográfico, político, econômico e sociocultural repercutem sobre as formas de entrar e viver a fase da velhice.

JU – Tendo utilizado dados dos Censos Demográficos e das PNADs, o que as análises lhe permitiram enxergar?

Carolina Guidotti – Focamos três coortes de nascimento (ou gerações): a nascida entre 1911 e 1920; a nascida entre 1931 e 1940, que em 2010 tinha entre 70 e 79 anos; e a nascida entre 1951 e 1960, que tinha entre 50 e 59 anos em 2010 e está ingressando agora na fase da velhice. Conhecer as características e ter uma medição do ritmo de mudança entre essas diferentes gerações torna-se relevante no contexto em que a população brasileira experimenta um acelerado processo de envelhecimento. Vale ressaltar a estimativa do IBGE de que, em 2040, 23% dos brasileiros (pouco mais de 54 milhões) estarão com 60 anos ou mais.

As análises mostraram substantivas diferenças das características de homens e mulheres entre essas gerações, assim como em relação a níveis de escolaridade. Para compreender esses diferenciais, ressalta-se a relevância do marco histórico e, dentro deste, do papel das políticas públicas na demarcação das condições de vida entre as gerações, o que contribui para experiências diferentes de envelhecer. Um diferencial a destacar é o acesso à educação: mais de 70% dos idosos nascidos nas primeiras décadas do século passado tinham completado no máximo três anos de educação formal; já para a geração nascida entre 1951 e 1960, esse percentual será inferior a 30% quando atingirem 60 anos ou mais. Pode-se esperar que em 2040 praticamente a metade da população entre 60 e 69 anos tenha ensino médio completo, o dobro que em 2010. A escolaridade tem implicações importantes nas formas viver a velhice, pois influencia a qualidade de vida e as condições de saúde, de participação social e de autonomia.

Em segundo lugar, verificamos que as mudanças nos sistemas de seguridade social e de saúde, com a progressiva tendência à universalização, tiveram importantíssimo impacto nesta população, influenciando tanto as condições domésticas quanto a situação de atividade econômica. Como exemplos, o Programa de Prestação Continuada (BPC) e a ampliação da aposentadoria rural entre a população socioeconomicamente menos favorecida das gerações nascidas após 1930; e o aumento da cobertura do sistema de saúde, refletido não somente pelas contínuas quedas da mortalidade na infância e entre adultos, como também na melhora da saúde autopercebida da população, o que implica maiores possibilidades de autonomia para o idoso.

JU – E quanto às mudanças no contexto econômico?

Carolina Guidotti – As mudanças, particularmente no mercado de trabalho formal, impactaram nas características das diferentes gerações de idosos. Nesse marco, pode ser interessante pensar em como as políticas de transferência de renda implantadas na década de 2000 (como o Bolsa Família) e o crescimento econômico que o país evidenciou recentemente influenciarão na configuração da velhice nas próximas décadas. A questão convida à realização de estudos específicos utilizando o enfoque do curso de vida.

JU – Seu estudo também trata das condições do envelhecimento na esfera doméstica.

Carolina Guidotti – Dentre as mudanças mais substantivas, vemos o aumento dos arranjos unipessoais [domicílios integrados por uma pessoa só] entre as gerações mais jovens. Tal arranjo residencial se verifica mais frequente entre mulheres e nas idades avançadas, mas tem aumentado entre as pessoas em idades adultas, principalmente as mais escolarizadas. Espera-se que entre as gerações que alcançarão a velhice em anos próximos, esse tipo de arranjo continue a crescer: as estimações indicam que, em 2030, uma em cada quatro mulheres entre 70 e 79 anos morará só. O estudo também sugere que a conformação do domicilio de casal sem filhos é uma situação relativamente passageira no curso de vida de grande parte da população idosa, especialmente no caso das mulheres.
Por outra parte, os domicílios estendidos [com um responsável ou cônjuge mais parentes] e compostos [mais moradores sem parentesco] têm perdido peso para as gerações mais jovens. Tais arranjos tendem a aumentar conforme avança a idade da geração nascida no começo do século passado; para a geração nascida entre 1931 e 1940, evidencia-se um crescimento até as faixas de início da velhice, e queda ou crescimento mais lento a partir dessa fase.
Nesse contexto, cabe assinalar a importância da implantação de políticas públicas que reconheçam as tendências das conformações domésticas, atendendo a demandas específicas e colaborando com a regulamentação do mercado destinado à provisão de serviços para cobrir as necessidades dessa população. E principalmente de políticas focadas na gestão pública do cuidado, socializando a responsabilidade pelo mesmo, função que ainda é depositada nas famílias, e especialmente nas mulheres.

JU – E em relação à atividade econômica, o que pôde constatar em sua pesquisa?

Carolina Guidotti – Os níveis de ocupação são elevados para a população com mais de 60 anos, especialmente entre os homens, apresentando tendência de queda para as gerações mais jovens. Porém, a diferença na proporção de ocupados entre as distintas gerações é mais acentuada para as mulheres e segue uma tendência oposta à da população masculina: a cada geração, a participação das mulheres na população ocupada aumenta, assim como aumentam as distâncias entre os índices de ocupação das mais e menos escolarizadas.
À medida que aumenta a idade, aumenta o percentual de aposentados e pensionistas. Porém, as idades consideradas de entrada na velhice (60 a 69 anos) não são o ponto de inflexão para a saída do mercado de trabalho. O percentual de aposentados e pensionistas se acentua entre 40 e 50 anos e continua a crescer até a faixa de 70 a 79 anos. Paralelamente, entre as gerações mais jovens, diminui o percentual de mulheres inativas que não recebem aposentadoria ou pensão, que tradicionalmente era bastante elevado.

JU – O que mostram os dados das PNADs sobre as condições socioeconômicas das diferentes gerações de idosos?

Carolina Guidotti – Foi possível observar que nas últimas décadas o curso de vida (a partir de idades adultas) tem se tornado mais diversificado. Não se observa uma associação direta entre condições gerais de perda de autonomia e a entrada na velhice: o curso de vida se mostra muito heterogêneo nessas idades, sendo que a heterogeneidade mostra tendência de aumento entre 1998 e 2008. Embora possamos pensar em tais evidências como um sinal de que a transição para a velhice está sendo protelada para idades mais avançadas, o enfoque aqui adotado indica que esse processo está em constante transformação, ganhando novos contornos e diversidade.
São evidências que permitem repensar a pertinência da demarcação das idades de 60 ou 65 anos como do limiar de entrada na velhice e considerar limites mais flexíveis, segundo as necessidades de se definir uma idade burocrática, por exemplo, para regulação de políticas. O envelhecimento nas próximas décadas dependerá em grande medida das características das gerações atualmente jovens, daí a importância de utilizar um enfoque que ilumine o curso de vida de forma global, a fim de gerar políticas públicas efetivas para melhorar as condições de vida da população.

Publicação
Tese: “Envelhecimento demográfico e mudanças na transição à velhice entre brasileiros de distintas gerações”
Autora: Carolina Guidotti
Orientadora: Tirza Aidar
Unidade: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH)

Fonte: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/619/um-olhar-sobre-o-novo-envelhecer

1 comentário

Arquivado em Entrevistas, Envelhecimento, Uncategorized

Mortalidade investigada

Nepo participa de estudo que está estimando a esperança de vida em pequenas áreas do Brasil

A expectativa de vida no Brasil avançou consideravelmente nas últimas cinco décadas – passou de 48 anos em 1960 para 73 anos em 2010. O dado, ainda que relevante, não é suficiente para retratar de forma fidedigna as diferentes realidades presentes em um país ainda marcado pela desigualdade social. Assim, é muito provável que um cidadão nascido e criado em Campinas (SP) tenha uma esperança de vida superior à de outro cidadão que sempre viveu no sertão da Bahia. Mas qual seria essa diferença de perspectiva entre eles? É o que uma equipe de pesquisadores, um deles da Unicamp, está tentando responder. O grupo está desenvolvendo um estudo com o objetivo de estimar um indicador de mortalidade e saúde para pequenas áreas brasileiras.

Um dos pesquisadores envolvidos nessa empreitada é o demógrafo Everton Emanuel Campos de Lima, que integra o Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó” (Nepo) da Unicamp. Além dele, também fazem parte do esforço os professores Bernardo Lanza Queiroz; da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); Flávio Henrique Miranda de Araújo Freire, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); e Marcos Roberto Gonzaga, também da UFRN. De acordo com Everton Lima, estimar a esperança de vida para um país é uma tarefa fácil quando comparada com estimativas desse indicador em pequenas áreas. “No caso das pequenas áreas, apesar da existência de dados, estes são de má qualidade e geralmente apresentam diferentes tipos de erros”, explica.

Outro fator complicador refere-se à qualidade das informações. O pesquisador do Nepo afirma que o nível de cobertura do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), de responsabilidade do Ministério da Saúde, progrediu consideravelmente nos últimos anos, alcançando o índice de 95% em 2010. Além disso, também houve alguma melhora em relação à qualidade da informação. Para ficar em um único exemplo desse avanço, 49,5% dos óbitos registrados no Estado da Paraíba não tinham indicação da causa da morte no ano 2000. Em 2011, essa taxa caiu para 8,7%. “Entretanto, precisamos qualificar ainda mais esses dados. Ainda há municípios das regiões Norte e Nordeste nos quais 50% dos óbitos ainda não são declarados”, diz.

E as dificuldades não param por aí. Em um estudo que conduziu em parceria com a epidemiologista e demógrafa Luciana Correia Alves, sua colega de Nepo, Everton Lima chegou a uma conclusão preliminar preocupante. Segundo ele, pode ser que haja um movimento de omissão de determinados tipos de morte no país, especialmente os causados por fatores classificados como externos, como os homicídios e os acidentes de trânsito. “A partir das informações que analisamos, nós concluímos que entre 10% e 20% das mortes provocadas por homicídios e acidentes de trânsito ou são omitidas ou mal declaradas. Não sabemos dizer, porém, se isso é proposital ou se decorre de falhas involuntárias no momento do registro”, esclarece o demógrafo.

Everton Lima acrescenta, porém, que o esperado é que as mortes provocadas por causas externas sejam 100% registradas, uma vez que envolvem a intervenção de autoridades policiais e a confecção de boletins de ocorrência (BOs). Para melhorar a qualidade dos dados e, consequentemente, aperfeiçoar as estimativas de mortalidade em pequenas áreas, o grupo de pesquisadores está aplicando uma nova metodologia, que combina técnicas demográficas tradicionais com modelos estatísticos avançados. Uma ferramenta que tem sido muito utilizada pelos cientistas é a chamada estatística bayesiana.

Dito de modo simplificado, ela se difere da estatística clássica por ter uma base matemática mais robusta. “A estatística bayesiana é aplicada em situações nas quais há pouca disponibilidade de dados. Nesses casos, a sua acurácia é significativamente superior à dos métodos convencionais”, pontua Everton Lima. De acordo com o demógrafo, há municípios em que é difícil calcular a taxa de mortalidade, pois há poucos óbitos, seja porque a população é realmente longeva ou por falhas de registro. Ademais, é também em pequenas cidades que subnotificações de óbitos têm impacto importante na taxa de mortalidade.

Quando isso ocorre, surge o que os especialistas classificam de “flutuações aleatórias”, o que impede que os indicadores de mortalidade sejam calculados apenas dividindo o número de óbitos pelo da população. “Usando a estatística bayesiana em associação com os métodos demográficos, nós temos como contornar esse problema”, assegura o pesquisador do Nepo. A ideia principal da abordagem, prossegue Everton Lima, é a aplicação do método em forma de cascata. Os pesquisadores corrigem inicialmente os dados relativos às macros e mesorregiões, para depois desagregá-los para as pequenas áreas. “Isso requer um tempo bastante largo, pois estamos falando de aproximadamente 5,5 mil municípios ou de 5,5 mil diferentes estimativas de taxa de mortalidade. Felizmente, como contamos com um grupo qualificado de programadores, nós conseguimos automatizar boa parte do processo”.

O pesquisador do Nepo faz questão de observar que a despeito de o método estar proporcionando bons resultados, ele está em construção e ainda pode sofrer ajustes. “Assim que a metodologia estiver totalmente consolidada, nós pensamos em avançar com a pesquisa e estender esse tipo de trabalho em relação à América Latina. Um ponto importante e que tem norteado o trabalho do grupo é disponibilizar os dados e as programações, assim que possível, em uma página da internet, para que outros pesquisadores possam ter acesso a eles”, adianta.

Internacionalização

Ademais, continua Everton Lima, o grupo pretende ampliar o número de participantes, inclusive com vistas à internacionalização das pesquisas. “Nós queremos incorporar à equipe dois pesquisadores do Instituto Max Planck, cuja sede fica na Alemanha e onde tive a oportunidade de trabalhar. Além disso, também pretendemos contar com a colaboração de pesquisadores brasileiros da Fundação Oswaldo Cruz [Fiocruz] e do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento [IPC-IG/PNUD], que funciona em Brasília”, informa.

Mas afinal, por que é tão importante estimar com acurácia a mortalidade em pequenas áreas de um país como o Brasil? Porque esse tipo de informação é fundamental para a orientação de políticas públicas em diferentes áreas, responde o pesquisador do Nepo. “Trata-se de uma ferramenta que contribui para a tomada de decisões. Consideremos como exemplo o fato de a população brasileira estar envelhecendo. Se o país pretende assegurar uma velhice digna e saudável para as pessoas que estão na meia-idade atualmente, o momento de começar a agir é agora. Primeiro, precisamos saber de quanto será essa população daqui a 30 anos. Depois, temos que preparar a infraestrutura adequada [saúde, lazer etc] para atender a esse segmento, que necessita de cuidados específicos”, assinala Everton Lima.

Outra utilidade para esse tipo de ferramenta, conforme o demógrafo, está na elaboração de tábulas de vida, que são utilizadas pela Previdência Social para o cálculo de riscos previdenciários. Em outras palavras, é o tipo de informação que ajuda na definição da idade em que o contribuinte pode se aposentar. Nesse ponto, Everton Lima faz um destaque importante. Segundo ele, no Brasil alguns dos cálculos previdenciários são feitos com base em tábulas formatadas nos Estados Unidos, país cujos habitantes guardam evidentemente pouquíssimas semelhanças com a população brasileira.  “Esse tipo informação é de interesse do Ministério da Previdência, na medida em que cresce o número de Regimes Próprios de Previdência Social, especialmente no nível municipal. Então, estimativas de tábulas de mortalidade para esse nível geográfico são de suma importância para uma implementação adequada desses regimes de previdência”, justifica.

Everton Lima considera que a pesquisa que objetiva estimar o índice de mortalidade em pequenas áreas do Brasil está entrando em sua terceira rodada de trabalho. A primeira contou com o financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). “Nós tentamos um novo financiamento para a segunda rodada, mas não conseguimos. Agora, estamos submetendo novamente o projeto ao CNPq e a outras agências de fomento, com o intuito tanto de ampliar o foco do trabalho quanto de agregar novos pesquisadores ao grupo”, reforça.

Fonte: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/615/mortalidade-investigada

1 comentário

Arquivado em Envelhecimento, Mortalidade, NEPO, Notícias

Nepo promove programa para capacitar gestores públicos

O tema do envelhecimento da população já está na pauta do país, mas os seus impactos ainda precisam ser compreendidos em maior profundidade pelos formuladores de políticas públicas. A opinião é do presidente da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep), Cassio Turra, que também é professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele participou como palestrante, nesta quarta-feira (21), do V Programa de Capacitação: População, Cidades e Políticas Sociais, promovido pelo Núcleo de Estudos de População Elza Berquó (Nepo) da Unicamp. O evento prossegue até a sexta-feira, no auditório do órgão.

De acordo com Turra, aos poucos a questão do envelhecimento populacional vem ganhando importância junto aos gestores públicos. Entretanto, na opinião do docente, eles ainda carecem de uma visão mais clara acerca das consequências dessa mudança demográfica, notadamente nas áreas da previdência social e saúde. Turra lembra que dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que em 2060 os idosos representarão 26,7% da população brasileira, contra os cerca dos 8% atuais. “Em 50 anos, nós teremos uma população proporcionalmente mais velha e composta por indivíduos mais longevos. Isso certamente trará impactos para o país, que precisará estar preparado para enfrentá-los”, adianta.

A maior presença de idosos, prossegue Turra, deverá alterar o perfil epidemiológico da população e exercer maior pressão sobre o sistema de previdência social, para ficar em dois exemplos. Ao mesmo tempo, o envelhecimento populacional também poderá trazer benefícios, principalmente no âmbito da economia. “Com a menor participação de crianças no conjunto da população, o Brasil poderá investir mais em capital humano, por exemplo, o que é interessante para o país. Além disso, os idosos em geral são detentores de maior acúmulo de ativos, o que também é positivo para a economia. Entretanto, os desafios referentes à transferência de recursos, de tempo e de cuidados para uma população mais velha certamente devem se sobrepor às eventuais vantagens geradas pela transição demográfica”, diz.

Segundo a professora Rosana Baeninger, organizadora do V Programa de Capacitação: População, Cidades e Políticas Sociais, o evento é voltado a gestores das secretarias municipais e estaduais. O objetivo é capacitar esses profissionais para trabalhar com as inter-relações entre população e desenvolvimento social. “É importante que eles conheçam em profundidade as mudanças que estão ocorrendo na estrutura demográfica do país e apliquem esse conhecimento nas políticas sociais de seus estados e municípios”, considera.

Fonte: Portal Unicamp.

1 comentário

Arquivado em Envelhecimento, NEPO, Notícias, Oportunidade de estudos

Dica de Filme: Amor (2012)

amorPor falar em envelhecimento, fica a dica de um filme muito interessante que concorreu ao Oscar 2013 de melhor filme, melhor filme estrangeiro, melhor diretor, melhor atriz e melhor roteiro original. Veja a ficha abaixo:

Sinopse e detalhes

Georges (Jean-Louis Trintignant) e Anne (Emmanuelle Riva) são um casal de aposentados, que costumava dar aulas de música. Eles têm uma filha musicista que vive com a família em um país estrangeiro. Certo dia, Anne sofre um derrame e fica com um lado do corpo paralisado. O casal de idosos passa por graves obstáculos, que colocarão o seu amor em teste.

Trailer

Filme

Deixe um comentário

Arquivado em Dica de Filme, Envelhecimento